Neuropatia diabética e dor neuropática

As neuropatias diabéticas (ND) podem ser definidas como um grupo heterogêneo de disfunções do sistema nervoso periférico, atribuíveis unicamente ao Diabetes Mellitus (DM) e que podem afetar virtualmente todas as fibras nervosas do corpo, isto é, neurônios (nervos) sensoriais, autonômicos e motores. Os nervos são estruturas parecidas com fios elétricos que transmitem a sensibilidade e desencadeiam os movimentos do corpo ou controlam funções involuntárias (que independem da vontade como o batimento cardíaco, a digestão, a ereção e a evacuação). As neuropatias diabéticas constituem a complicação mais freqüente e perigosa do diabetes, pois é silenciosa e quando dá sintomas pode ser tarde demais, como veremos.

O excesso de açúcar no sangue inflama muito os nervos (por isso também chamamos a neuropatia diabética de neurite diabética) provocando dores nos pés e alterações dos batimentos do coração e da pressão do sangue: tonturas ao levantar-se, fraqueza e cansaço ao realizar exercícios. Pressão do sangue ou pressão arterial é a força gerada pela contração do coração para manter adequada e constante a circulação do sangue através dos vasos. Eu costumo dizer que o açúcar em excesso no sangue é tóxico para os nervos da mesma forma que o excesso de álcool, isto é, ambos são neurotóxicos.

Somente 20% dos pacientes com neurite diabética têm sintomas que podem variar desde um simples formigamento nos dedos dos pés até dores insuportáveis nas pernas que impedem o paciente de dormir a noite toda. Este tipo de dor nós chamamos de dor neuropática e é realmente uma das coisas mais difíceis de tratar em toda a medicina.
Felizmente, as pesquisas médicas caminham muito rapidamente neste campo e há grande esperança de novas drogas para os próximos anos.

Curta nossa página no Facebook:

« Voltar